quinta-feira, junho 29, 2006

O PAX JULIA, Beja e o Alentejo em geral
O Carlos elenca um conjunto de perguntas prévias que considera útil fazer a fim de definir um rumo para o Pax Julia. Eu não sei nada do que se passa no Pax Julia. Mas sei que o Carlos comete um erro groseiro, imperdoável a um gestor. O Carlos esquece-se do "contexto". E como se esquece do "contexto", esquece-se de fazer as perguntas vitais para compreender quase tudo o que acontece e não acontece em Beja, que tenha a ver com dinheiros públicos (e, infelizmente, não só). A título pro bono completo então a lista de perguntas que o Carlos iniciou, com as ditas questões vitais, que, grosso modo, se podiam fazer a qualquer organismo público da região:
- Que interesses partidários e privados pode satisfazer?
- Quem é que pode mandar?
- De que partido é?
- De que facção do partido é?
- A que família pertence?
- Que favores deve a quem?
- Que negócios privados tem com quem?
- Que pontos fracos tem?
- Quanto dinheiro temos?
- Quantos favores podemos pagar? Quais os mais urgentes?
É claro que, depois de respondidas estas questões, já não há dinheiro, competência ou vontade para se chegar as outras...

3 comentários:

Planície Heróica disse...

Se é assim com uma centralização opressiva, tentacular e capciosa... que fará c'a regionalização...

Um abraço,
Francisco Nunes

Carlos a.a. disse...

Isto só teu!!!
Mas sabes, o certo é que o PAX JULIA não é o único nessa situação..., são mais 59 neste país!
Daí que tentei partindo do nosso Cine-Teatro generalizar, mas ninguém quer ouvir...

Abraço

nikonman disse...

Brilhante exercício!
Há, porém, uma questão - uma pequeníssima questão, que falta elencar.
A seu tempo encontrarão a resposta, mesmo sem conhecerem a questão.